Como Reproduzir o Peixe Betta Passo a Passo

Neste tutorial passo a passo eu vou ensinar como faço para acasalar e reproduzir meu Peixe Betta. Estes passos são os procedimentos gerais para reprodução, ou seja, uma vez que você ganhar experiência, você pode variar os passos, como preferir

Saiba que Bettas podem produzir até mil ovos numa única desova. Quando estes ovos eclodem, centenas de bebês estarão nadando no seu aquário. Eles exigem frascos, equipamentos e materiais de alimentação. Esteja preparado!

Passo 1 - Como escolher o casal certo para Reproduzir

O passo mais importante na criação de bettas é encontrar um casal saudável com as características que você gostaria de ver nos filhotes. Escolher machos e fêmeas com cores e barbatanas semelhantes irá produzir melhores resultados do que um par misto (ou seja, cor diferente, diferente tipo de barbatana). A idade ideal para a reprodução do peixe betta é quando eles estão entre 6 a 12 meses de idade.



Passo 2 - Preparando o aquário ideal para o Acasalamento

Você vai precisar de um tanque espaçoso (pelo menos 15 litros de agua), com uma tampa e luz. Não coloque pedras ou cascalho no fundo do aquário, pois os ovos podem ficar presos embaixo deles. Mantenha a temperatura da água a cerca de 27 graus Celcius (pode usar um aquecedor). Esta é a temperatura ideal para o acasalamento do peixe beta.

Você vai precisar ainda colocar uma tampa de plástico ou um pedaço de copo de isopor cortado para que o macho produza o ninho de bolhas embaixo. Adicione também plantas de plástico no aquário de reprodução para que a fêmea possa se esconder quando necessário. O nível de água no tanque deve ficar entre 10 e 13 centímetros para permitir que os alevinos desenvolvam seu sistema respiratório corretamente.

Passo 3 - Condicionando o Casal de Peixes

Bettas são naturalmente agressivos e não permitirão que qualquer outro peixe chegue perto. Por isso, é necessário condicionar os bettas na hora da reprodução para se acostumarem um com o outro. Alimente-os bem por uma semana, de preferência com alimentos vivos (camarão, larva de mosquito etc) e mantenha a água muito limpa. Permita que macho e fêmea possam se ver durante 2 dias (em aquários separados), em seguida, remova a fêmea da vista do macho antes de colocá-lo no tanque de criação.

Colocar o macho primeiro no aquário de reprodução. Deixe que ele se acostume com seu entorno durante cerca de uma hora ou mais. Em seguida, introduza a fêmea, colocando-a em uma garrafa de plástico ou vidro transparente de modo que o macho não possa alcançá-la. Eles devem mostrar algum interesse um pelo outro, e o macho deve começar a fazer o ninho de bolhas.



Colocando Macho e fêmea no aquário para reproduzir

Após o macho construir o ninho de bolhas, solta-se a fêmea observando o comportamento deles. O macho vai tentar persuadi-la para baixo do ninho. Se o macho for muito agressivo, dando mordidas e arrancando nadadeiras, deve-se prender a fêmea por mais algum tempo e tentar novamente mais tarde. Caso não dê certo, a fêmea escolhida deve ser trocada por outra. O abraço nupcial

Depois de aceitar o convite, a fêmea irá para baixo do ninho em direção ao macho. Nessa hora, o macho dará o "abraço nupcial" (Foto acima), que consiste no acasalamento dos peixes beta, quando o macho pressiona a fêmea, expulsando seus óvulos e, ao mesmo tempo, fertilizando-os com seus espermatozóides. O Betta é uma espécie ovípara, ou seja, os óvulos expelidos pela fêmea são fecundados na água e se desenvolvem fora da barriga da mãe.

Os Ovos e separação da fêmea

Os ovos cairão até o fundo onde o macho os pegará com a boca, colocando com cuidado um a um dentro das bolhas do ninho. Algumas fêmeas ajudam o macho no processo de recolhimento dos ovos fertilizados, mas isso não é uma prática muito comum. Esse ritual deverá se repetir por várias horas. Geralmente são expelidos de 100 a 600 ovos, dependendo da idade e do tamanho da fêmea.

Após a desova, deve-se retirar imediatamente a fêmea com cuidado para que o ninho com ovos não seja danificado, pois o macho pode ficar agressivo na tentativa de defender a prole. Na maioria das vezes, a fêmea, após a desova, vai para o canto oposto ao ninho, sendo mais fácil retirá-la sem muita movimentação na água. Após 20 dias aproximadamente, essa fêmea já está apta à reprodução.

Como cuidar dos Filhotes / Alimentando a Prole

Esse é um dos principais problemas enfrentados por criadores, uma vez que é uma atividade que demanda tempo e paciência. Uma alimentação variada e com alta freqüência de administração é de fundamental importância para a manutenção da prole. Existem vários tipos de alimentos que podem ser administrados aos alevinos,A partir do quinto dia de vida, eles começam a aceitar alimentação exógena. Os mais utilizados são: infusórios, paramécios, branchonetas, artêmias, gema de ovo, farinha de minhoca e farinha de salmão. A seguir, descreve-se um modelo de alimentação utilizado por alguns criadores alcançando-se bons resultados.

Nos três primeiros dias após a absorção do saco vitelino, alimentam-se os alevinos três ou quatro vezes ao dia em pequenas quantidades. Pela manhã, infusórios e artêmia recém-eclodida;à tarde, microvermes, e, à noite, novamente artêmia. Caso a água comece a parecer turva, provavelmente está ocorrendo uma superalimentação dos peixes ou está na hora de fazer uma troca parcial de água.

Após três dias nessa dieta, cessa-se o fornecimento de infusórios e microvermes, mas continua-se com a artêmia recém-eclodida por duas vezes ao dia. Eles continuam nessa dieta até aproximadamente dois meses de idade, quando começam a comer outros alimentos vivos como blood-worms, enquitréia, tubifex, artêmias adultas, além de ração comercial, ficando a critério do criador escolher a melhor maneira de alimentá-los.

Trocas parciais de água devem ser feitas a fim de controlar a qualidade da mesma, o que permitirá um crescimento mais homogêneo e um melhor desempenho do lote. Quanto mais trocas parciais forem realizadas, melhor será o desempenho dos alevinos. As trocas deverão ser feitas por meio de sifonamentos do fundo do aquário. Exige-se atenção redobrada nesse processo para que não haja sifonamento dos peixes.